Guake – Terminal com fácil acesso em qualquer lugar

Quem é desenvolvedor sabe que o uso do terminal costuma ser constante. Quando eu comecei no Linux, por exemplo, um dos primeiros comandos que eu aprendi e memorizei foi o tradicional CTRL+ALT+T, que abria uma janela do terminal para a entrada de comandos. Um problema desta abordagem, no entanto, é que com mais janelas abertas no sistema, mais ALT+TAB eu fazia, principalmente quando estava checando algum tutorial de instalação de alguma ferramenta ou biblioteca que eu curti e que precisava de algum comando mais avançado além do tradicional ./configure && make && make install ou procedimento com gerenciadores de pacote (npm install, pip install, etc.).

Depois de algum tempo, no entanto, percebi que esse método de uso do terminal não estava sendo eficiente, e a partir de alguma pesquisa eu acabei descobrindo o Guake, sobre o qual eu vou falar hoje.

Logotipo do GuakeO Guake é um terminal desenvolvido para Gnome que tem como principal característica ser suspenso. Mas, como assim suspenso? Simpes! Quem já jogou algum jame   jogo de FPS sabe que, nesses jogos, é comum haverem certos terminais suspensos no jogo, que aparecem sob o jogo e que não costumam atrapalhar sua experiência no mesmo, permitindo mexer no terminal sem perder o jogo de vista. Pois então, inspirado nessa característica, o Guake imita este comportamento, de modo que o terminal se torna acessível a qualquer momento, durante o uso de qualquer programa não-fullscreen, necessitando apenas uma tecla para acessar.

Funciona assim: Você aperta uma tecla configurada como hot-key (o Guake por padrão sugere F12) e...,de isso:

Chrome sem o Guake aberto Você passa a ter isso:

Chrome com o Guake abertoCom o terminal pronto para receber comandos ali mesmo, sem precisar perder totalmente o foco da aplicação que você estava usando. E, se você por ventura precisar voltar sua atenção a aplicação, você pode, por exemplo, você não perde o que estava executando em seu terminal antes dele ser escondido. Isso acontece pois, embora o Guake seja suspenso e não crie nenhum icone adicional em sua barra de programas, ele está sempre rodando como uma daemon, pronto para mostrar o terminal quando você pressiona a hotkey configurada.

Além disso, o Guake tem algumas características em comum com terminais como o Gnome, por exemplo:

  • Multi-abas: Você consegue abrir mais de um terminal ao mesmo tempo facilmente com o Guake;
  • Ajuste de altura: Pois diferentes aplicações precisam de diferentes quantidades de espaço;
  • Configuração de scroll: Para ajudar quanto conteúdo printado deve ser armazenado em memória antes de ser apagado;
  • Ajuste de cores: Para quem curte usar variadas cores no terminal;
  • Compatibilidade com shell de sistema: Para caso você queira usar outro shell além do bom e velho bash;

Fica a dica para quem usa Linux, usa muito o terminal e não gosta de ficar abusar muito do ALT-TAB frequentemente. E você, o que achou dessa dica? Já conhecia o Guake? Deixe sua opinião nos comentários. =)

Gostou do conteúdo desse post? Apoie o blog contribuindo a partir de R$1/mês através da nossa página no Apoia.se! Isso me ajudará a manter o blog no ar, além de trazer mais coisas legais para vocês! Obrigado desde já! 😀