ChaplinJS – Um framework para aplicações web dinâmicas

Hoje, temos a nossa disposição inúmeras opções para ajudar na criação de um aplicativo web, como AngularJS e EmberJS, por exemplo. Entretanto, alguns programadores (inclusive eu) acreditam que tantas features não são necessárias e preferem a simplicidade e a flexibilidade do BackboneJS. Entretanto, acontece que o BackboneJS, sozinho, nem sempre fornece a tão esperada estrutura que precisamos para um aplicativo SPA, e é com esse foco que o ChaplinJS surgiu: Possibilitar a criação de aplicações SPA facilmente usando como base o BackboneJS.

Dentre as mudanças adicionadas pelo ChaplinJS, se encontram:

  • Chaplin.Router – Mais inteligente que o Backbone.Router, detecta cliques em links internos da aplicação e automaticamente processa o respectivo Chaplin.Controller de acordo com a URL acessada.
  • Chaplin.Controller – Fornece uma estrutura básica, similar a um callback qualquer, para processar requisições vindos de uma URL.
  • Chaplin.View – Extende o Backbone.View, adicionando suporte à regiões e sub-views.
  • Chaplin.Mediator – Permite a comnicação entre diferentes objetos da aplicação usando eventos globais.

Além disso, o ChaplinJS fornece ferramentas interessantes para evitar memory leaks na sua aplicação, como dispose automático de qualquer modelo ou view associado à um Controller anterior ao que está sendo atualmente acessado, economizando assim no uso da memória pelo navegador.

Gostou do conteúdo desse post? Apoie o blog contribuindo a partir de R$1/mês através da nossa página no Apoia.se! Isso me ajudará a manter o blog no ar, além de trazer mais coisas legais para vocês! Obrigado desde já! 😀